segunda-feira, 29 de maio de 2017

Festa de lançamento do Flor do Maracujá

O Coquetel de lançamento da 36ª Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás do Arraial Flor do Maracujá, que aconteceu no último sábado 27, na sede da Federação de Grupos Folclóricos – Federon na Cidade da Cultura (antigo Parque dos Tanques), foi coroada de sucesso.
O evento tinha como convidado especial a Imprensa de modo geral, que realmente compareceu com os principais canais de televisão que atuam em Rondônia como, Rede Amazônica (Globo), SiC News (Record), Allamanda (SBT), Meridonal (Band) e RedeTV/RO (RedeTV), além da equipe do programa “Vai Lá Sabido” e do jornal Diário da Amazônia (impresso) e alguns sites.

A direção da Federon decorou o especo de eventos de sua sede, com motivos juninos, enquanto alguns grupos filiados, apresentaram shows com itens que disputam em seus quesitos, no Flor do Maracujá como Casal de Noivo da Rádio Farol Cristiano e Lucélia, Rainha Larissa e seu par Caetano da JUABP e a Rainha da Rosas de Ouro Mirim Talita. Porta Estandarte Ana Célia do Corre Campo e Porta Estandarte do Boi Manhoso; Rainha do Folclore do Corre Campo Adriana Santos e Rainha do Folclore do mirim Brilhantinho e a Cunhã Poranga do Boi Corajoso do Município de Candeias do Jamari.

Fizeram parte da mesa, o prefeito de Porto Velho Hildon Chaves; Superintendente da Sejucel Rodnei Paes; Presidente da Câmara de Vereadores de Porto Velho Maurício Carvalho; Presidente da Funcultural Antônio Ocampo Fernandes; Secretário da Semdestur Júlio César o ex senador da república Expedito Júnior e o presidente da Federon Fernando Rocha.
Todos da mesa fizeram uso da palavra, porém, o discurso que mais se destacou foi o do prefeito, principalmente quando ele alertou os dirigentes dos grupos folclóricos, que não é admissível, uma festa como o Arraial Flor do Maracujá que está completando 36 anos de existência, continuar com o pires na mão, na porta dos gabinetes dos governantes. “Isso tem que acabar, vocês precisam sair da dependência do poder público, o Flor do Maracujá é um produto de grande potencial turístico e assim deve ser tratado. É preciso que vocês se organizem melhor, seria de bom alvitre que a Federon estudasse uma maneira de reduzir a quantidade de grupos. Trabalhem a qualidade do espetáculo e não a quantidade de apresentações”,disse o prefeito.

Hildon Chaves ainda lembrou que este ano a prefeitura conseguiu recursos junto a iniciativa privada. “Porém a Federon precisa aprender a andar com suas próprias pernas para não ficar dependendo de recursos públicos. Vocês precisam cobrar ingresso de R$ 5 e até R$ 10 e assim, manter os grupos. Se o governo entrar com recursos, você não podem cobrar ingresso. Pensem nessa possibilidade”.
O prefeito finalizou, dizendo que está encaminhando um Projeto à Câmara de Vereadores que caso seja aprovado, a Federon terá no máximo em dois anos, recursos fixos na média de 30 Mil mês. “Porém vocês não podem cruzar os braços, tem que ir a luta em busca de recursos inclusive no Ministério da Cultura” finalizou.
O Superintendente da Sejucel confirmou que a estrutura de som, arquibancada, tendas etc. do Flor do Maracujá 2017, já foi licitada e por isso está garantida. Lembrou ainda que o espaço do Parque dos Tanques foi repassado para a Sejucel pelo governo estadual e ali será implantado o Espaço Multi-eventos – Cidade da Cultura. “Ainda no governo de Confúcio Moura daremosinício à obra”, disse Rodnei.
Fernando Rocha presidente da Federon agradeceu a imprensa que compareceu em peso e as autoridades presentes “O que queremos, é mostrar que o movimento da Cultura Popular no quesito folclore, é forte e que nossa Federação, jamais cruzou os braços, sempre estamos buscando meios para fomentar nossos filiados. Porém senhor prefeito, o governo não pode ficar de fora de uma festa como é a do Flor do Maracujá, os recursos oficiais são necessários sim”, disse Fernando.
A festa foi encerrada com as apresentações folclóricas. 

Um comentário:

Valeria Magalhaes disse...

ACHO PÉSSIMO COBRAREM ENGRESSOS,MESMO PQ FICA LONGE,A PESSOA VAI SAIR LA DA ZONA SUL,COM OS FILHOS,VAO PRA ASSISTIR QUADRILHAS COMER ALGUMA COISA IMAGINA NA DESPESAS,E AINDA TEM QUE PAGAR PARA TER QUE GASTAR,ISSO É RIDÍCULO,EU FUI NA MAIKR FESTA JUNINA DO BRASIL,Campina Grande é Caruaru,não paguei um centavo pra entrar e ainda assistir as melhores banda de forró do Brasil,imagina querendo cobrar aqui,se as pessoas vão mais pra passear e saborear uma comida típica e que por sinal é carrissimo.Vamos pensar nas pessoas menos favorecidas.